16/09/2014

Dias difíceis

Por cá os dias têm sido difíceis,  muito em conta com o que se passa profissionalmente.
Todos os dias me levanto a tentar acreditar que cada um vai ser melhor que o outro,  mas não é. E custa mais ainda quando temos a vida numa corda bamba e não vemos solução.

09/09/2014

Mudamos?

A vida dá muitas voltas. A nossa tem dado demasiadas.
E nestas trocas e baldrocas,  colocamos em cima da mesa uma carta que aqui há muito tempo a tirámos.
Hoje em dia as condições são diferentes,  as necessidades diferentes. E há uma vontade de mudança que se poderá transformar em uma grande mudança.  Para todos.
Se há medos? Inseguranças? Há. Claro que há.
Mas o tempo o dirá.

04/09/2014

Triste

Sinto-me triste.
Já por cá falei deste assunto e sou sincera, tenho alturas em que não consigo evitar de pensar no mesmo.... 
Sinto-me uma péssima mãe. O pequeno Afonso está numa fase linda mas péssima em termos de alguns comportamentos... Testa-nos ao limite. Dá-nos cabo da paciência!!
Ralho com ele e como sou apologista da palmada na hora certa, às vezes dou-lhe uma naquela fralda.
Nunca me sinto bem depois.
Sinto mesmo que muitas das vezes que sou a má da fita. 
Fico com ciúmes quando o vejo, principalmente depois de o chamar à atenção, a correr para o pai ou para quem seja e abraçar, pedir colo....
Às vezes, quando o tento adormecer e ele não quer beliscando-me com tida a força que tem, penso que não gosta de mim. Quando lhe mudo a fralda, farta-se de me dar pontapés e a rir trocista enquanto o faz.. Penso que não gosta de mim. Quando corre para os braços dos outros, ignorando-me, penso que não gosta de mim.
Nas férias quando estivemos com a minha mãe e ele me ignorava, pensei que ele não gostava de mim.
Fiquei ainda mais sentida ao perceber que não sei brincar com ele.
E estou triste. Sinto-me mal comigo. Sei que muito há-de ser desta cabeça sem jeito, mas não consigo deixar de passar ao lado. 
Estou triste

03/09/2014

Primeiro dia de escolinha

Ontem foi o primeiro dia de escolinha para o meu amor maior. 
Sim, eu ia mais ansiosa que ele que ainda não percebe estas coisas. 
Contudo, assim que lá chegou abraçou-se ainda mais a mim, apertou-me os braços... Fiquei logo em pulgas... 
Foi-me "arrancado" com o maior carinho pela primeira educadora dele, uma senhora que muito carinhosamente sempre se apelidou de avó do meu pequeno e que sempre o tratou com o maior amor e carinho possível.
Ele ficou a chorar baba e ranho, eu sai a chorar com ele....
Liguei à hora de almoço e fiquei a saber que ele tinha passado bem a manhã, bem disposto como ele é. No final do dia, estava uma pilha! Enérgico como só ele! Mais que feliz por nos ver!
Em casa fiquei um pouco triste, porque notei, à guerra que fez para eu lhe mudar a fralda, que talvez tivesse ficado ressentido... Mas para adormecer, teve necessidade de sentir a minha cara junto à dele e de agarrar-se ao meu pescoço como se não houvesse amanhã. 
O meu coração aqueceu e apenas pedi que aquele momento não acabasse nunca, que ele deixasse de crescer...

01/09/2014

O regresso

As férias acabaram. E com este fim regressaram as crises de ansiedade, a minha falta de vontade e o meu desânimo para vir para aqui trabalhar.
Sim, eu sei, talvez esteja a fazer uma tempestade num copo de água, mas quando uma pessoa deixa de gostar do que faz, do local trabalho e de tudo e um par de botas, é realmente muito complicado. 
Vamos ver como corre este dia, as novidades e o que se passa.... 
Não está a ser um regresso fácil.

25/08/2014

Resoluções pós-férias

Ainda falta esta semana para as minhas férias acabarem.
Contudo,  eu sou daquele tipo de pessoas que gosta de fazer "renovações" pós-férias,  tal como se do início do ano se tratasse. Tudo porque como planeio certas coisas no início doano e as féférias servem para perceber o que está certo e o que precisa ser mudado.
E já há muitas coisas a borbulhar na minha cabecinha!

15/08/2014

Um bom alento

Antes das férias, depois do que ultimamente se passou no meu trabalho e tudo, voltei a pensar seriamente na minha formação. 
Tenho um bom curso na minha área, mas tenho noção, principalmente pelos anúncios de emprego que se vêm que a licenciatura ou algo similar é deveras importante. A especialização que tenho é a licenciatura resumida a cerca de 9 meses, mas não me deu nada que pudesse mostrar que a tenho, a não ser um certificado presencial.
Andei por isso a investigar a fundo. A licenciatura da minha área, secretariado, só existe em privado. Onde tirei a especialização, um dos únicos sítios por aqui em Lisboa (pelo menos não descobri mais nenhum), a licenciatura é simplesmente 400€/mês! Eu o infelizmente não tenho essa possibilidade. Mas, pela minha irmã, descobri uma escola técnica onde me conferem o certificado profissional. E assim, vou embarcar num curso de 14 meses, aos sábados, das 9h às 17h, para tentar ganhar mais em relação à minha profissão.
Sei que vou perder um pouco mais do meu filho, sei que vou arrastar-me ainda mais pelos cantos, mas vou realmente na expectativa que isto se torne realmente uma grande mais valia na minha vida.
E assim, este mês, a minha vida ganhou um novo alento. Sinto-me entusiasmada!